VOLTAR

A PARIDADE É FAVOR, É UM JUSTO RECONHECIMENTO

23/05/2012

Escrito por: Eliete Vieira da Silva e Shakespeare Martins de Jesus

 

*Eliete Vieira da Silva

 Secretária da Mulher Trabalhadora da CUT RN

 

*Shakespeare Martins de Jesus

Diretor executivo da CUT

 

 

 

Ao buscarmos o significado de PARIDADE no dicionário encontraremos as seguintes definições: “Qualidade do que é par. Característica do que é igual ou semelhante. Comparação para provar que uma coisa pode ser igual ou semelhante à outra”. Estes significados nos remetem à luta das mulheres que reivindicam na sociedade, na política, no trabalho e nas relações afetivas e interpessoais a sua paridade.

 

É salutar que esta luta seja constante e contínua, considerando que as mulheres constroem mudanças no cotidiano de todos os cidadãos e cidadãs da sua comunidade, do seu município, do seu estado, do seu país e do mundo, e que na sua contribuição na construção de uma sociedade melhor e onde todos tenham dignidade, ela não se distingue, não se melindra e muito menos deixa de ser combativa e atuante por ser mulher, nada mais justo que ela reivindique no contexto no qual está inserida, ser tratada como par, como semelhante, como igual.

 

Diante dos argumentos ora apresentados é que nós mulheres trabalhadoras  da base CUTista, levantamos a bandeira de construirmos juntos aos nossos companheiros a PARIDADE entre homens e mulheres, não só no momento de empunharmos as nossas bandeiras de luta em defesa de uma relação de trabalho onde o trabalhador e a trabalhadora brasileira tenham seus direitos e suas conquistas garantidos e ampliados.

 

Nós não fugimos do ônus e não seríamos coerentes se não reivindicássemos os bônus de nos fazermos presentes nos espaços de poder dentro das instituições sindicais que ajudamos a construir e a consolidar e nos empenhamos com a mesma garra e determinação apresentadas pelos nossos valorosos companheiros militantes.]

 

Não defendemos a paridade com o intuito de desmerecer, diminuir e muito menos desvalorizar os homens, defendemos a PARIDADE com o objetivo de termos a nossa competência, o nosso dinamismo e nosso trabalho reconhecidos e valorizados sem que sejamos impedidas de atuarmos nos espaços de maior poder pelo simples fato de não pertencermos ao sexo masculino.

 

Somos cientes das dificuldades que enfrentamos diariamente nos nossos locais de trabalho, nos sindicatos e dentro da própria estrutura da CUT, porém estas dificuldades não nos intimidam nem impedem de debatermos, reivindicarmos e construirmos passo a passo junto aos companheiros e companheiras que resistem ao que é justo e que é um direito a ser conquistado por nós mulheres nos nossos campos de ação e atuação. A Paridade não é favor, devaneio ou insanidade de mulheres inconsequentes e pretensiosas, é sim o justo reconhecimento da grande contribuição das mulheres nos espaços que ocupam legitimamente conquistados.

 


Compartilhe: