VOLTAR

Debate sobre paridade entre homens e mulheres em cargos de Direção é definido como prioridade pela #13PlenáriaCUT

22/10/2012

Escrito por: Isaías Dalle e Tatiana Melim

Correntes políticas fecham consenso. Tema pode ir a voto no 12º Congresso, ano que vem

 

Na tarde desta quinta-feira (6), a 13ª Plenária Nacional da Central Única dos Trabalhadores, em seu segundo dia de aprovação das emendas para a composição do Plano de Lutas, aprovou que o tema paridade entre mulheres e homens na ocupação de cargos na direção da CUT Nacional e das Estaduais passa a ser prioridade nos debates a partir de agora, sinalizando que a paridade pode ir a voto no 11º Congresso Nacional, que acontece no ano que vem.

A decisão foi tomada por consenso entre as cinco correntes políticas – Articulação, O Trabalho, CSD, Articulação de Esquerda e Tendência Marxista –, que construíram texto conjunto. “Estamos no início de um processo de debate sobre a paridade”, explicou Rosane da Silva, secretária nacional da Mulher Trabalhadora, após ler o texto aprovado para o plenário.

Dino Santos
Em reunião, correntes fecham acordo para a paridade
 
Em reunião, correntes fecham acordo para a paridade

 

“Tenho a expectativa e quase a certeza de que a paridade dentro da nossa central será aprovada no próximo Congresso. Quando a gente quer, a gente constrói. E é a vontade política que nos fará avançar”, defendeu Carmem Foro, Secretária de Meio Ambiente da CUT e integrante da corrente Articulação. Carmem reconheceu que o debate não foi travado nas Plenárias Estaduais que antecederam o encontro de hoje, e que por isso seria preciso discutir mais amplamente.

 

 

 

 

 

 

Para Angela Maria Melo, presidenta do Sindicato dos Educadores de Sergipe, a luta por uma sociedade justa e igualitária é feita por homens e mulheres, portanto é inadmissível que a mulher tenha um papel secundário nos espaços de poder. “Todos/as precisam compreender que justiça social se faz com homens e mulheres.”, completou.

Julio Turra defendeu a intensificação do debate sobre paridade na base a partir desta 13ª Plenária para que seja construída uma proposta consistente. “A tradição cutista é de aceitar sem pressão todos os pontos de vista, por isso é importante também aceitar o contraditório quando ele aparecer. Mas o principal é o entendimento de que a construção da luta da central é feita por homens e mulheres desde a Comissão Pró-CUT”, ponderou. Para ele, homens e mulheres precisam estar juntos em todas as lutas, tal como a luta contra a criminalização do aborto.

De acordo com Marlei Fernandes Carvalho, presidenta do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Paraná, o debate na direção da CUT e nas demais estaduais ampliará a reflexão sobre outras desigualdades que as mulheres vivem na sociedade, como, por exemplo, a desigualdade salarial, no qual as mulheres recebem, em média, 30% a menos que os homens que ocupam o mesmo cargo. “Dividir os espaços de poder é uma questão de direito e conquista, e não de concessão. Queremos fazer parte, mesmo que seja pela regra, da construção do socialismo, que é o maior objetivo de todos/as cutistas”.

“Precisamos garantir que a nossa Central, a Central Única dos Trabalhadores, seja a primeira a garantir essa paridade. Aprovar esse debate na CUT é dar um exemplo para a sociedade brasileira”, defendeu Maria de Fátima Veloso, ao reconhecer que ainda falta bastante para que as entidades sindicais assegurem de fato o mesmo direito entre homens e mulheres.

Dino Santos
Plenário não deixou dúvidas: paridade na ordem do dia
Plenário não deixou dúvidas: paridade na ordem do dia

Compartilhe: